Tratamento por Ondas de Choque

Especialidade

Ondas de choque são ondas sonoras de alta energia, geradas pela expansão brusca de gases ou líquidos. Trata-se de um fenômeno físico bem conhecido na natureza. Exemplos seriam os trovões, que são ondas de choque geradas pelos relâmpagos, e o barulho gerado por aviões supersônicos ao ultrapassarem a barreira do som.

Em medicina, as ondas de choque foram utilizadas inicialmente em litotripsia, o tratamento não invasivo para fragmentar cálculos renais. Observou-se então que este tratamento tinha efeitos sobre o sistema músculo-esquelético, o que levou pesquisadores a modificá-lo e verificar seu efeito sobre a pele, ossos, músculos, tendões e ligamentos.

As ondas de choque atravessam a pele e agem nos tecidos profundos. Elas normalmente são sentidas pelo paciente quando atingem o tecido que se deseja tratar.


  • Quais são os tipos de ondas de choque utilizadas para o tratamento da dor músculo-esquelética na Axis?
  • Quais são os efeitos do TOC no organismo?
  • Como é realizado o tratamento?
  • Que condições podem ser tratadas?
  • Contraindicações e efeitos adversos
  • O tratamento dói?
  • Quanto tempo dura o tratamento?
Quais são os tipos de ondas de choque utilizadas para o tratamento da dor músculo-esquelética na Axis?

O TOC para afecções do sistema músculo esquelético na Axis é realizado com um aparelho que produz duas modalidades de ondas:

  • Ondas focais: são geradas através da produção de um impulso eletromagnético, que é então transformado em ondas sonoras, as quais convergem para um ponto específico entre 1,5 e 5,0 cm de profundidade, onde ocorrem os efeitos fisiológicos.
  • Ondas radiais: são geradas através de um sistema pneumático, que produz ondas sonoras divergentes (radiais), como o movimento da água quando jogamos uma pedra em um lago. A energia das ondas radiais age em tecidos mais superficiais do corpo humano.
Quais são os efeitos do TOC no organismo?

Há um grande número de pesquisas sobre TOC e vários efeitos fisiológicos foram observados. O resultado terapêutico é normalmente atribuído a três efeitos principais:

  • Analgesia: quando ondas de choque são aplicadas sobre a região afetada, inicialmente observa-se a reprodução da dor. Gradualmente, há uma redução do desconforto e, após alguns minutos, a pessoa pode não sentir mais nenhuma dor no local. Isto é observado rotineiramente durante o tratamento. Acredita-se que este efeito ocorra devido à inibição das fibras nervosas que transmitem o impulsos dolorosos (nociceptores).
  • Efeito anti-inflamatório e angiogênico: as ondas de choque estimulam a produção de óxido nítrico, uma substância que tem ação antiinflamatória e também promove a formação de vasos sanguíneos. Acredita-se que a redução da inflamação tenha um efeito de curto prazo na melhora da dor, enquanto a formação de novos vasos facilita a regeneração tecidual.
  • Regeneração tecidual: ocorre também devido ao estímulo mecânico das ondas de choque sobre as células, que estimula o metabolismo celular e promove a multiplicação e diferenciação das células.
Como é realizado o tratamento?

O TOC é realizado por um médico, com a utilização de um sistema gerador de ondas de choque. Na Axis, as sessões têm duração de até uma hora. Os impulsos são transmitidos pelo cabeçote do aparelho aplicado sobre a pele, com a utilização de um gel comum. O rastreamento dos pontos dolorosos é feito através do deslizamento deste cabeçote. As variáveis são o tipo de onda gerada pelo aparelho (focal ou radial), a profundidade e a intensidade dos impulsos.

O tratamento envolve uma interação permanente entre médico e paciente, pois o paciente orienta continuamente o médico sobre a localização e intensidade dos sintomas que o tratamento está produzindo, o que permite ao médico direcionar e modular a intensidade dos impulsos. O médico, por outro lado, define a intensidade e profundidade dos impulsos baseado na sensibilidade do paciente e nas características anatômicas do tecido que está sendo tratado.

O tratamento é inicialmente direcionado para as áreas que mais incomodam o paciente. É comum a identificação de outras áreas afetadas, que reproduzem os sintomas. Assim, o tratamento procura inativar os pontos dolorosos referidos pelo paciente e identificados durante o tratamento.

As sessões são agendadas em intervalos semanais ou quinzenais. O tratamento costuma ser concluído em até cinco sessões, mas pode se prolongar em casos mais complexos. De uma maneira geral, espera-se que efeitos terapêuticos claros sejam observados pelo paciente em até três sessões. Caso contrário, deve-se cogitar a reavaliação da condição clínica e a adequação da indicação do tratamento.

Que condições podem ser tratadas?

Estudos clínicos indicam que o TOC é especialmente eficaz para o tratamento de afecções de tendões e suas inserções, fáscias, ligamentos e bursas. Dores miofasciais e lesões musculares também são tratadas com bom resultado. Afecções ósseas, como periostites e fraturas de estresse também são indicações formais para tratamento, conforme relacionado abaixo.

  • Quadris: bursite trocanteriana, tendinite de glúteos ou isquiotibiais, dor miofascial da musculatura da cintura pélvica
  • Ombros: bursite subacromial, síndrome do manguito rotador, tendinite do supra e infraespinal, artrose acromioclavicular
  • Joelhos: tendinite patelar, síndrome da pata de ganso, síndrome fêmoro-patelar
  • Tornozelo e pé: tendinite de calcâneo (tendinite de Aquiles), fascite plantar, lesões ligamentares (entorses)
  • Cotovelo: epicondilite ulnar e radial (cotovelo de tenista)
  • Coluna: cervicalgia associada à dor miofascial, dor sacro-ilíaca e dor lombar miofascial
Contraindicações e efeitos adversos

O TOC não deve ser realizado em locais tratados com infiltração por corticóides por até seis semanas. Adicionalmente, outras contra-indicações incluem tumores malignos, tromboses e infecções, entre outras.

É comum a ocorrência de dolorimento na região tratada, durante as primeiras 48 horas após o tratamento. Entretanto, este efeito costuma diminuir no decorrer das sessões. O uso de TOC radial também pode gerar petéquias na pele, ou pequenas manchas vermelhas, que desaparecem em alguns dias.

O tratamento dói?

O paciente sente um desconforto ou leve dor somente quando as ondas atingem o tecido com alterações patológicas, pois são praticamente indolores nas áreas normais.

O rastreamento dos pontos dolorosos é feito através do deslizamento e inclinação do cabeçote sobre a pele. As variáveis são o tipo de onda gerada pelo aparelho, a profundidade e a intensidade dos impulsos.

O tratamento é inicialmente direcionado para a inativação das áreas principais de dor. É comum a identificação de outras áreas afetadas, que também reproduzem os sintomas e são igualmente inativadas.

Através do tratamento com ondas focais localizam-se clinicamente áreas pequenas e profundas de inflamação e edema ósseo que são de difícil diagnóstico através dos meios tradicionais, e que perpetuam os quadros dolorosos.

Durante o tratamento com estas ondas profundas, frequentemente é reproduzida a dor que é sentida diariamente pelo paciente, mas também é de difícil localização e descrição.

Frequentemente ocorre a analgesia completa durante a aplicação, mas uma redução imediata de 50% já seria muito satisfatória, esperando-se uma progressiva melhora nos dias e mesmo semanas que se seguem ao tratamento.

Realizamos testes clínicos e movimentação ativa imediatamente antes e após a aplicação. O alivio da dor e a liberação de movimentos anteriormente bloqueados pelo espasmo muscular confirmam o diagnóstico clínico, anatômico e funcional.

Quanto tempo dura o tratamento?

No nosso método, as sessões têm duração de até uma hora e são agendadas em intervalos semanais ou quinzenais.

O tratamento costuma ser concluído em até cinco sessões, mas pode se prolongar em casos mais complexos.

Espera-se que melhora ao menos parcial seja observada em até três sessões. Caso contrário, pode ser reavaliada a condição clínica e a indicação do tratamento.

Sua vida em equilíbrio.

Responsável técnico Unidade Alto de Pinheiros:
Dr. Eduardo Bracher CRM 66.050

Responsável técnico Unidade Itaim Bibi:
Dr. Gilson Tanaka Shinzato CRM 64.150

As informações em nosso site têm caráter meramente informativo e não substituem as orientações do seu médico.

Unidades

Alto de Pinheiros
Av. Prof. Fonseca Rodrigues, 755
Próximo à Praça Panamericana e Parque Vila Lobos
Telefone: (11) 3819-7962
Whatsapp: (11) 98761-0523
Clique aqui e saiba como chegar

Itaim Bibi (Tratamento por Ondas de Choque)
R. Joaquim Floriano, 466
Ed Brascan Century Offices
10o andar – Conjunto 1006
Telefone: (11) 3071-3889
Whatsapp: (11) 97670-5464
Clique aqui e saiba como chegar

Todos os direitos reservados. Desenvolvido pela